Crítica: Deuses do Egito

       Deuses do Egito 👑 é um filme que conta a história do deus Horus, nascido para governar o Egito, mas perde o trono para seu tio, o deus Set, não tendo outra escolha se não se juntar ao mortal Bek para se vingar e recuperar o que é seu por direito.
       O filme é dirigido por Alex Proyas e estrelado por Nikolaj Coster-Waldau como Horus, Brenton Thwaites como Bek, Gerard Butler como Set, Élodie Yung como Hathor e Courtney Eaton como Zaya.
PONTOS POSITIVOS 👍
      Os efeitos especiais são ótimos!
      As cenas de ação são super empolgantes.
     Os romances são fofos.
      O elenco é muito bom.
PONTOS NEGATIVOS 👎
     O filme é muito óbvio, você sabe exatamente o que acontece antes de acontecer, totalmente previsível.
PONTOS ADICIONAIS
      O filme estreou em 25 de fevereiro de 2016 e está disponível em DVD, Blu-Ray e na Netflix.
    

Comentários

  1. Poderia ter sido uma história melhor! O filme é incontestavelmente ruim. O roteiro não inova em nada, está cheio de clichês, utiliza muitas soluções extremamente convenientes e é demasiado expositivo em alguns momentos. Os efeitos especiais são extremamente mal feitos, mesmo uma pessoa leiga verá que eles não são convincentes. As atuações também estão bem fracas, nem mesmo o Gerard Butler (ator do óptimo Tempestade: Planeta em Fúria) se salva. Mas, apesar disso tudo, eu não consigo dizer que não gostei do filme. É tudo tão absurdo que eu não conseguia parar de rir. E como não rir?! As cores em geral são extremamente exageradas e brilhantes, mas com destaque especial para o dourado, que compõe quase que a totalidade do cenário (inclusive o sangue dos deuses). Algumas cenas de luta combinam slowmotion e 360° em volta dos combatentes. E o diretor, Alex Proyas (Cidade Das Sombras), não teve medo de representar os elementos da mitologia egípcia de forma fantástica, ele definitivamente não se preocupa que esse universo pareça crível.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Especial: A Heroína E A Vilã De Cada Signo

Especial: Os Vestidos Mais Incríveis Usados em filmes

Crítica: Descendentes 2